Rodrigo Campos – São Mateus Não É um Lugar Tão Longe Assim

15 Maio
Rodrigo Campos

Rodrigo Campos

O samba de São Mateus

Moreno Bastos

Bilhar, futebol de várzea, histórias e tristezas de amor e da vida. Em “São Mateus Não É um Lugar Tão Longe Assim”, Rodrigo Campos investe nesses temas e apresenta seu samba, inspirado nos tempos em que morou no bairro na zona leste da capital paulista. “Fui criado desde os três anos em São Mateus, e lá tem muita roda de samba. Foi muito espontâneo, escuto desde pequeno”, diz ele, natural de Conchas, interior do Estado.

Antes de abraçar de vez a música, Campos passou por uma fábrica de jeans e uma casa de bingo. Também frequentou a faculdade de direito por dois anos.

Mas, apesar de beber na fonte do samba, em seu primeiro disco, o músico de 32 anos não fica preso às tradições. Há as influências clássicas do gênero, como Zeca Pagodinho, Reinaldo, Beth Carvalho – presente nas faixas “Isac” (nome de seu pai) e “Fim da Cidade” – ,porém, com tempo, diz Campos, “você começa a procurar o que o agrada mais e vai formando suas referências.”

O sambista, então, foi procurar em uma variada seleção de produtores outras possibilidades musicais para misturar ao seu som. Assim, juntou nomes como Beto Villares, produtor da cantora Céu; Antônio Pinto, famoso pelas trilhas sonoras dos filmes “Cidade de Deus” e “Central do Brasil”; Gustavo Lenza, produtor de Curumin; Gui Amabis, também envolvido em séries de TV; e o pianista Benjamin Taubkin. “Ele é um estudioso, mas, por ser um autodidata, não tem aquela coisa de academia, de normas”, diz Campos, que conheceu o músico quando tocava na banda de apoio do clainetista Paulo Moura.

O resultado dos “pitacos” que cada um deu aparece em faixas como a triste “Mangue e Fogo”. Cantada por Luisa Maita, namorada de Campos, e produzida por Antônio Pinto, a faixa ganhou piano e “scratches” do DJ Marco _ famoso no circuito das festas de rap paulistanas. “Gosto da conexão que o rap tem com o lugar, acho que é o estilo que mais tem conexão com a periferia.” De volta ao samba, em “Brother José”, Campos dá uma levada mais pop ao ritmo, com bateria e voz de Curumin.

O artista disponibilizou no site da gravadora Ambulante quatro músicas para os fãs baixarem de graça. “O artista vive dos shows. O disco serve para divulgar o trabalho”, diz Campos.

Anúncios

6 Respostas to “Rodrigo Campos – São Mateus Não É um Lugar Tão Longe Assim”

  1. RICARDO (PI) 16/06/2009 às 18:33 #

    Rodrigo menino de ouro criado em São Mateus sou grande fã dele começamos a ouvir Chico ,Caetano juntos mas o talento dele foi fenomenal muito cedo ja sabia o que queria sucesso irmão .

  2. Daniel Cunha 22/08/2009 às 14:50 #

    Acabei de ouvir, bom ‘pa caraleo’. Belo texto, Sérgio.

  3. Alberto Moby 20/08/2010 às 0:05 #

    O cara é muito bom!

  4. hugo denizart 11/10/2010 às 11:44 #

    Prezados senhores,

    Gostaria de comprar esse esse CD. Não consegui encontrá-lo em várias lojas.

    Como posso fazer isso?

    Muito obrigado,
    Hugo Denizart

  5. soraia 30/05/2011 às 15:33 #

    Quero comprar este cd, como faço?
    Soraia – slira@jcom.com.br

  6. simpatia82 05/10/2011 às 0:04 #

    esse disco é maravilhoso! eu, como carioca, venho dando muito mais moral pro samba paulistano.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: