Arquivo | Groove Especial RSS feed for this section

4:5+5+5+5 melhores de 2009

6 Jan

Quatro listas com os cinco melhores do ano. Sempre falta alguém, mas acho que é uma lista justa. Cada um com sua importância.

E o groove vai para..

Cinco discos nacionais

– Céu – “Vagarosa”

– Cidadão Intigado – “Uhuuu!”

– Emicida – “Pra Quem Já Mordeu Um Cachorro Por Comida, Até Que Eu Cheguei Longe”

– Flora Matos Vs StereDubs – “Flora Matos Vs Stereodubs”

– Lucas Santtana – “Sem Nostalgia”

Cinco discos gringos

– Georgia Anne Muldrow – “Umsindo”

– K’naan – “Troubadour”

– LMFAO – “Party Rock”

– Major Lazer – “Guns Don’t Kill People… Lazers Do”

– Mos Def – “The Ecstatic”

Cinco músicas

Black Eyed Peas – I Gotta Feeling

Jay-Z – D.O.A (Death of Auto-Tune)

K’naan – America

Kid Cudi vs. Crookers – Day N Nite

Rincon Sapiência – Elegância

Cinco virtuais

– Funkero – “Poesia Marginal”

– Idle Warship – “Party Robot”

– J.Period & Knaan – “The Messenger”

– J.Period & Nneka – “The Madness (Onye-Ala)”

– Wu-Tang Meets The Indie Culture Vol. 2: Enter The Dubstep

O Groove de 2009

31 Dez

Arte: Edson Lopes

Chega ao fim a primeira década dos anos 2000. Vou tentar fazer primeiro um pequeno balanço do que foi 2009. Claro que vai faltar muita coisa, mas lembrar algumas já ajuda. Teve Geisy Arruda (do outro Arruda nem vale lembrar) mandando muito bem no seu vestidinho vermelho. Deu trabalho, mas não mais do que as chuvas que ferraram bem Sampa, a terra da garoa virou um pantanal de água.

Então vamos de groove:

Michael Jackson

Nenhuma notícia chamou tanta atenção quanto a morte de Michael Jackson. O Rei do Pop fez sua passagem e passa a ter o status de divindade. Ficaram sua música e sua magia, que realmente é o que importa. Na minha opinião, ainda não nasceu seu substituto, mas logo aparece.

Os Brazucas

Ano muito bom para o rap nacional, que deixou a postura sisuda de lado e resolveu mostrar sua nova cara. Não tem cabimento hoje, no Brasil, fazer música pop (afinal, hoje, o rap é o pop) achando que tem de ficar restrito a meia dúzia de pessoas. Emicida começou toda essa história com o lançamento de sua mixtape. Chegou a ser indicado no sonolento VMB 09, apareceu até nos “jornalões”. Rompeu as primeiras fronteiras, falou com os jornalistas de forma clara e sem a ideia fixa de que os profissionais da área só escrevem besteiras. Até escrevem, mas não são todos, e se ninguém falar, como transmitir sua ideia? Até universitário que não consegue batalhar por mais nada, além da carteirinha de estudante, sabe disso. O objetivo tem que ser maior.

O rap nacional começou a falar mais e a aparecer mais. Mano Brown foi capa da Rolling Stone. A matéria – uma das melhores do ano – mostra a nova fase em que o cantor se encontra, tentando mudar sua imagem. “Não posso ser refém de nada, nem do rap. Aquele Mano Brown virou sistema viciado”, disse Pedro Paulo ao jornalista André Caramante. Ainda nos Racionais, KL Jay foi o lado musical que mais se exercitou. Nos toca-discos ele teve um encontro com DJ Marky e outro com o Patife, as ligações começam a ser feitas, espero que venha mais coisa boa pela frente. Sobre o novo disco dos Racionais, quando vazaram umas músicas do projeto com a Banda Black Rio, todo mundo ficou empolgado, mas não era nada do grupo. Falam que o disco está previsto para o meio do ano, mas vamos esperar com calma.

Outra mixtape que deixou aparente os rumos a serem percorridos pelo rap veio das mãos de Flora Matos, em parceria com o Stereodubs. Tão importante quanto a do Emicida, mas com a vantagem de mostrar novos caminhos musicais. De quebra, o Brasil descobre uma nova (e boa) cantora e compositora de rap, ou melhor, de música brasileira. Já o grupo Pentágono foi destaque com dois belos clipes, dirigidos por Pedro Gomes, responsável também pelo documentário “Freestyle: Um Estilo de Vida”. Destaque também para o diretor Fred Ouro Preto, que foi indicado pelo seu clipe de “Triunfo” e fez um bom trabalho com o primeiro vídeo do Kamau (Só – Remix), que, por sua vez, teve um fim de ano agitado com música inédita e estréia no universo dos clipes – até então ele aparecia somente em vídeos de skate. Acaba despertando a curiosidade pelo que vem por aí.

Há, ainda, a música “Elegância”, de Rincón Sapiência. Tocou em toda festa boa que rolou nesse 2009 e fez muita gente dançar. O Só Pedrada Musical acabou, mas voltou com força total, e viva a boa música sob a tutela de quem conhece, Daniel Tamenpi. Outro guerreiro do rap, Alessandro Buzo fez na raça e na coragem um filme sobre o assunto, “Profissão MC”, com Criolo Doido mandando muito bem no papel principal. E do Rio de Janeiro veio o EP do Akira Presidente, rapper que é uma das boas promessas para esse ano que chega (o MC colocará seu álbum oficial nas ruas no primeiro semestre), assim como Funkero. Dois bons nomes vindo pra selva via ponte área, aaahh, meu Rio de Janeiro!

Aliás, da cidade maravilhosa veio um dos melhores documentários do ano “Dub Echoes”, do guerrilheiro Bruno Natal.

Continuando, o veterano João Bosco lançou um belo disco voltando com a parceria de Aldir Blanc. Agora, o melhor foi mesmo João Brasil, que colocou na praça uma bela amostra de seu trabalho, mas foi pra Inglaterra. A cantora Céu apresentou um disco melhor que o de estréia, e Lucas Santtana mostrou por que é um dos artistas mais inteligentes dessa geração com “Sem Nostalgia”. Teve novo (e sempre bom) disco do Cidadão Instigado, Fernando Catatau é foda.

Wado também mandou muito bem em seu “Atlântico Negro”. E teve até meu “amigo” Benito Di Paula, sem falar no DJ Dolores (responsável por um dos melhores discos esse ano, mas que, na verdade, é de 2008). Enfim, Recife é demais. Tem algo na fumaça de lá, decididamente.

Os Gringos

Se Jay-Z é o “patrão” da atualidade, Mos Def é o operário revoltado da indústria fonográfica. Os discos que os dois lançaram mostram o rap norte-americano dividido claramente entre alguém que faz o pop certinho para agradar gregos e troianos e outro produzindo um discurso político, pesado e sem papas na língua. Mos Def é hoje um dos maiores artistas da atualidade, “o homi” mais rock’n’roll da música. Tão importante para a música negra quanto Marvin Gaye.

Na produção não me lembro (nesse ano) de alguém que fez tantos trabalhos e tão bons quanto J.Period. O produtor e DJ foi responsável pelas melhores mixtapes e pelos melhores projetos, destaque para sua parceria com K’naan (projeto The Messengers) e com a cantora “Power África” Nneka (mixtape “The Madness – Onye-Ala”). Essa chegou bem no

finalzinho do ano e valeu a pena.

Bob Dylan lançou um disco de Natal, que nem é nada demais, mas é Bob Dylan, e Dylan é Deus. 50 anos de Keroauc, salve a beat generation!.

Kanye West chamou a atenção subindo no palco do VMA e questionando a premiação de Taylor Smift. Convenhamos que foi a única atitude “roquinroll” desse ano de que me lembro.

Talib Kweli foi outro que não parou em 2009, seu melhor projeto foi o Idle Warship. Fodaça a parceria entre o MC e as belas Res e Graph Nobel. Major Lazer (aka Diplo) fez um dos melhores discos dessa safra, vai do funk carioca ao dubstep rapidinho. O GL comemorou o Fela Kuti Day em grande estilo, merecidamente.

Até tentei ouvir mais coisas, como Animal Collective e Dirty Project, mas todo mundo vai falar tanto desses discos que deixei pra lá. Os fãs que me perdoem, mas não achei nada demais. Aliás, o rock decididamente morreu, pelo menos nesse formato que conhecemos. Essas bandas, por exemplo, são tão certinhas que dão até sono. Mas como diria

meu pai, gosto não se discute, se lamenta.

As mulheres deram as cartas no pop, ainda bem, pois Beyoncé, Lady Gaga e Taylor Smift apareceram em todas as premiações. Rihanna lançou seu disco de transição, Lily Allen veio no Brasil, arrebentou no show e ainda lançou um belo disco. Faltou só o disco novo da Amy Winehouse.

Shows

Não vi tantos shows assim, mas dos que fui e fotografei, o Radiohead, disparado, deu um show perfeito. Além de Mos Def. É absurdo como o cara é cuidadoso mesmo na simplicidade de seu trabalho. Mesmo grau de importância nesse ano. Houve outras boas performances, Flora Matos Vs Stereodubs, Instituto e convidados, Sombra e Banda Projeto Nave, e por aí vai. O Festival Dialeto foi um evento que chamou a atenção por reunir os principais nomes da atualidade do rap. Organizando, pode-se desorganizar, já dizia o profeta. Pra terminar, a notícia de que a dona da pensão, ahh, deliciosa, Beyoncé vem para o Brasil.

Que venha 2010.

Feliz ano novo com muito groove a todos que apareceram por aqui.

Semana Fela Kuti

19 Out

felakuti

Fela Anikulapo Kuti recebeu uma singela homenagem na semana passada aqui no Groove. Foi idolatrado a altura graças a ajuda dos amigos. Tiago Galvão que fez a arte e Juka fez o encerramento em altíssimo nível, isso sem esquecer que tivemos depoimentos ilustres.

Tudo em nome de um ídolo do terceiro mundo que encheu a humanidade de groove. Espero que tenham gostado

A vida continua, e o groove também.

“Fela é uma lenda”

17 Out

felakuti

“Fela é uma lenda”

por: Juka

Final de tarde, dia 15 de outubro, enquanto o mundo comemorava o Fela Kuti Day, eu estava numa estradinha perdida entre  Luziânia (GO) e Brasília tentando pela quinta vez no dia uma entrevista  com o adido cultural da Nigéria no Brasil para falar sobre o mais criativo músico nigeriano, ativista político, criador do afrobeat e revolucionário Fela Kuti, homenageado da semana aqui no Groove Livre.

Tarefa nada fácil, pois a secretária da embaixada estava irredutível em liberar a entrevista sem um pedido formal por e-mail e mais uma dúzia de pequenos protocolos _coisas de embaixada.

Um pouco de sorte e uma boa dose de insistência me ajudaram a passar pela secretária.  Após um longo silêncio na linha, finalmente consegui conversar com o simpatíssimo senhor Olusola Iginla, adido cultural nigeriano aqui em terras brasileiras.

Groove Livre: Qual a importância do Fela Kuti na cultura nigeriana?

Olusola Ingila: Fela é uma lenda. Um grande motivo de orgulho para o povo nigeriano. Provalmente, ele é um dos artista africanos mais influentes de todos os tempos.

GL: Qual a contribuição da música dele para o país?

OI: Ele ajudou a criar a identidade cultural da Nigéria. Creio que essa seja a sua grande contribuição.

GL: Tem também a atividade política, não?

OI: Sim, ele lutou pelos direitos do povo e contra a opressão. A atuação política dele foi importante.

GL: Atualmente, a música dele é ouvida pelos jovens nigerianos?

OI: Claro, Fela é muito popular entre os jovens. Posso dizer que ele é uma artista muito popular não só na Nigéria, mas também em diversas partes do mundo.

GL: Existe algum ponto de ligação entre a atuação política e a música do Fela Kuti?

OI: Como eu disse, ele lutou pelos direitos do povo. Na sua música ele também ensina os ouvintes a importância de lutar por seus direitos. Do seu modo, Fela era muito engajado.

GL: Há alguma influência do Fela Kuti na música nigeriana atual?

OI:  Essa marca de luta do Fela está presente na identidade de cada jovem nigeriano que ouve a sua música. Fela é uma lenda.

GL: Qual é a repercussão na Nigéria da comemoração do Fela Day em todo o mundo?

OI: Temos muito orgulho. É realmente um motivo de orgulho.

(Embaixada da Nigéria www.nigerianembassy-brazil.org).

Fela Anikulapo (1971)

16 Out

Vodpod videos no longer available.

Fela Kuti’s Day

15 Out

felabration-splash-final2

Fela Anikulapo Ransome Kuti estaria completando 71 anos hoje, sua importância é quase que religiosa, foi o pensador de sua geração. Tornou-se um ídolo do terceiro mundo brigando por justiça. Um bom caminho para se entender sua arte pode ser apreciada sem nenhuma moderação no excelente “Só Pedrada Musical” do Daniel Tamenpi.

Um dos seguidores da filosofia “Kutiana”, Rodrigo Brandão do Mamelo Sound System falou sobre a influência e importância de Anikulapo na sua obra e no mundo.

“Fela Kuti, um dos maiores ícones da música negra mundial, afro-futuristra de primeira, criou um gênero musical, ao lado de sua genial banda Afrika 70, e em especial do baterista Tony Allen. Verdadeiro rei do ritmo, ele abençoou o Mamelo no nosso álbum Velha-Guarda 22, e estar em conexão direta com tamanha majestade musical foi uma daquelas emoções que não cabem em palavras.  Mas a influência e inspiração exercida por gente como o Anikulapo transcende até mesmo a música, pois toca em quesitos como a atitude diante da opressão, da corrupção e um inconformismo, uma rebeldia muito reais, urgentes e profundos. A celebração de um dia só dele explica muito sobre o assunto, e a dimensão da importância desse band leader, cantor, compositor, saxofonista e tecladista aumenta ainda mais se pensarmos que se trata de um artista vindo do Terceiro Mundo, cujas músicas são enormes, portanto sua difusão radiofônica foi minúscula. Longevidade pouca é bobagem”.

Brandão além de conhecer do assunto, sabe levar a influência das pregações de Fela Kuti na sua música, o que torna o Mamelo em um grupo diferenciado do rap nacional.

Vida longa ao Rei nigeriano Anikulapo.

Radio 420 – Especial Fela Kuti

15 Out

352352127_a7611e70f5

Radio 420 Beta 15102009 – Especial Fela Kuti

(Dia de Fela Kuti, dia de muito groove, dia de musica verdadeiramente negra)

Fela Anikulapo Kuti – My Lady Frustation

Fela and Africa 70 – Zombie

J.Period & K’naan – Ololufe Mie

Fela Ransome-Kuti e Africa 70 – Igbe

Fela Ransome-Kuti e Africa 70 com Ginger Baker – Let’s Start

J.Period & K’naan – Introducing Fela Kuti

Fela Kuti – Expensive Shit

Play to the people